Slide1.png

Nossos estudos e pesquisas sociais

buscam dar voz e  gerar reflexão.

Compartilhamos informações e conhecimentos,

valorizando sempre a troca de experiência.

Acreditamos que informação tem

o poder de transformar.

Logo VOZ REFLEXIVA CMYK (1).png
Slide5.png

maio de 2021

Depressão, ansiedade, sofrimento psicológico, assédio sexual e violência doméstica afetam mulheres em todo mundo.

 

Pesquisadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmam que mulheres que foram expostas a abusos sexuais quando crianças ou a um parceiro violento, quando adultas são diagnosticadas com depressão em uma taxa muito maior.

 

A pesquisa Ser Mulher buscou entender melhor o cenário da saúde da mente das mulheres que vivem no Brasil, seus anseios e dificuldades, além de proporcionar à participante a oportunidade de olhar para os próprios sentimentos e sensações. Realizada em março de 2021, a pesquisa contou com 809 mulheres participantes.

O estudo “Saúde da Mente & a Nova Realidade” integra o projeto “Sociedade de Vidro” do Instituto Bem do Estar, voltado a trazer um olhar contínuo sobre as estruturas sociais, os cidadãos e as fragilidades emocionais.

 

O mapeamento, coordenado pela NOZ,  contou com duas fases de pesquisa: a primeira foi realizada em maio do 2020 e teve por foco a “Saúde da Mente e o Isolamento Social”; a segunda etapa coloca o holofote no impacto da nova realidade na saúde da mente do brasileiro.

O levantamento quantitativo foi realizado entre outubro de 2020 e janeiro de 2021. 1.033 pessoas participaram da pesquisa; homens e mulheres de todas as faixas etárias e regiões do país.

Slide4.png

abril de 2021

A maternidade é repleta de desafios.

 

Planejamento, redes de apoio e informação sempre foram fundamentais para que as mães consigam ser livres em suas escolhas pessoais e profissionais.

 

A pandemia gerou a necessidade do fechamento de escolas, do home office, dificultou o acesso a rede de apoio e com isso o isolamento social torna-se ainda mais acentuado e desafiador para as mães.

Slide7.png

Parceria: Cinematerna

agosto de 2020

Slide3.png

julho de 2020

Em maio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) soltou um alerta sobre outro efeito devastador provocado pela pandemia: uma crise de saúde mental em todo o planeta. Não é de hoje que o número de pessoas que lida com problemas relacionados à saúde mental nos mostra que a sociedade vem enfrentando um grande problema de saúde pública devido a incidência - embora com uma subnotificação clara - de casos como depressão, distúrbios de ansiedade e burnout.

 

Com isso, realizamos uma pesquisa com o objetivo central de entender o impacto do isolamento social na saúde da mente dos brasileiros. Uma pesquisa quantitativa online com questionário de autopreenchimento voluntário. O engajamento foi alto, com participação voluntária dos 1.515 respondentes.

Slide6.png

Parceria: Cinematerma

agosto de 2019

Em julho de 2019, a NOZ, realizou, em conjunto com a Associação CineMaterna, uma pesquisa para ter um panorama da mãe com bebês. Por meio de um questionário de autopreenchimento, 2.090 mães com filhos de até 2 anos contaram sua relação com a maternidade.

 

Os resultados revelam que os maiores desafios enfrentados pelas mães envolvem falta de apoio na rotina, tempo para o autocuidado e a dificuldade em conciliar vida pessoal e profissional. Mais de dois terços das mulheres sente-se julgada e/ou cobrada, em especial, as mais jovens.

 

Os desafios, os julgamentos e cobranças não estão diretamente vinculados aos cuidados com o bebê. Vida profissional e pessoal são os itens que as mães se sentem mais julgadas e cobradas.

Frequentemente, os seres humanos mobilizam-se em atividades sociais que envolvem cooperação, como doar comida, ajudar feridos, partilhar conhecimento, entre outras.

 

Em 2019, realizamos uma pesquisa sobre doações com mais de mil respondentes em que 93% dos participantes afirmaram ter apoiado ou ajudado alguma causa. Ficou a pergunta, qual a percepção sobre cooperação, o que se entende por e como se avalia as interações. É isso que esta pesquisa busca responder

Slide13.png

abril de 2021

Slide9.png

Parceria: Trackmob + Pitanga.mob

maio de 2019

Com os avanços na expectativa de vida e a queda nas taxas de fecundidade, as faixas etárias com mais de 50 anos são as que mais crescem na população brasileira. Segundo projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual de pessoas com mais de 50 anos passará dos atuais 25% para 45% até 2060.

Os 50+ possuem capacidade econômica maior que a dos jovens, percebe-se um movimento do mercado de aproximação e engajamento, entretanto sabe-se pouco ainda. Um dado interessante é que, segundo o IPEA, metade da força de trabalho terá mais de 50 anos até 2040. Atualmente ¼ das pessoas acima de 60 anos já está conectado a internet.

O estudo Mercado Consumidor 50+ tem o objetivo de mapear a percepção geral sobre alguns segmentos de serviços e de produtos para o público Maturi.

A Geração Maturi é formada pelos jovens das décadas de 60 e 70, que acompanharam e realizaram as grandes transformações que vivenciamos em nossa sociedade atual. Essa geração mudou a forma como é vista a juventude, e influenciou a forma como analisamos tendência.

 

São uma parcela importante de consumidores, já que possuem capacidade econômica maior que a dos jovens. Entretanto, apenas uma pequena parte das estratégias de marketing são pensadas para os 50+, e essas tendem a direcionar suas ações para o estereótipo do idoso.

Slide11.png

Parceria: Maturi

julho de 2018

Slide12.png

Parceria: Maturi

julho de 2018

O emprego formal ainda é o maior objetivo da maioria dos Maturis. Entretanto, a falta de oportunidades e a busca por maior flexibilidade profissional tornam o sonho de empreender mais próximo.

A falta de recursos financeiros é o principal motivo que pode adiar o objetivo de empreender. Atuar como consultor, autônomo ou freelenacer parece ser, na opinião dos Maturis, uma alternativa mais viável e com menor risco para suprir a falta de oportunidades e a busca por maior flexibilidade profissional.

Hábitos e comportamentos de uma geração que revolucionou uma época e continua a influenciar gerações após os 50.

 

A força e a representatividade dos 50+, um panorama pioneiro para o mercado com indicadores profissionais e comportamentais de quase 19 mil maturis.

 

A geração que hoje tem mais de 50 anos é a geração de jovens das décadas de 60 e 70 que acompanharam as grandes transformações da sociedade atual. Essa geração mudou a forma como é vista a juventude, e influenciou a forma como analisamos tendências jovens hoje.

Slide10.png

Parceria: Maturi

agosto de 2017

Slide8.png

Parceria: Femijuris

julho de 2018

A Rede FemiJuris e a NOZ, com objetivo identificar e mapear os problemas e desafios enfrentados por mulheres que atuam profissionalmente nas áreas jurídicas, coletaram voluntariamente percepções e experiências profissionais de 400 graduandas ou bacharéis e Direito.

 

Alguns outros indicadores da pesquisa retratam a percepção sobre o impacto da dupla jornada, maternidade, reconhecimento e satisfação em suas trajetórias profissionais, além de dados sobre assédio moral e sexual. Ainda mais impactante são os quase 200 depoimentos coletados, com histórias reais de discriminação e assédio vivido por essas mulheres.

14 instituições participaram da pesquisa, em 2017, entre elas: ESPM, Fecap, FIA, IMED, Insper e Saint Paul

Forma levantadas informações de cerca de 120 cursos com 165 novas turmas iniciadas em 2017 de diversas áreas.

Slide1.png

Parceria: Anamba

abril de 2018

Slide2.png

Parceria: Anamba

julho de 2017

20 instituições participaram da pesquisa, em 2017, entre elas: ESPM, Fecap, FIA, IMED, Insper Saint Paul, BSP, FEI e Mauá.

Forma levantadas informações de cerca de 1113 cursos com 178 novas turmas iniciadas em 2016 de diversas áreas.